KondZilla: o que um dos maiores canais do mundo pode ensinar para sua marca

Com uma câmera na mão e uma obsessão na cabeça, o jovem empresário Konrad Dantas – conhecido pelo nome artístico KondZilla, ou apenas "Kond" – foi o responsável por aumentar o som dos bailes da periferia. Tão alto que agora o funk brasileiro já é ouvido por milhões de pessoas todos os dias no YouTube, alcançando este ano o posto de 6º maior canal de música do mundo.

Quem olha a explosão do Canal KondZilla hoje não reconhece de imediato a combinação de fatores de sucesso: autenticidade, faro aguçado de mercado e profissionalismo. Até pouco tempo atrás, o funk brasileiro – maior expressão da juventude periférica atualmente – carecia de tudo isso para ocupar seu espaço na indústria do showbiz. Konrad vem reinventando o bê-á-bá do marketing digital, com conteúdo original e reconhecido por ser um retrato fiel da cultura urbana e das aspirações do seu público. Suas cifras não dão margem à dúvida: "Bum bum tam tam" é o único vídeo no Brasil com mais de 1 bilhão de visualizações.

KondZilla: o que um dos maiores canais de música do mundo pode ensinar para sua marca

Segue o baile: o funk no mainstream

Com todo grande sucesso também surgem grandes responsabilidades e escolhas. Uma passagem na trajetória do Canal KondZilla que retrata isso foi a fase de reinvenção do conteúdo, em que foram excluídos vídeos que retratassem qualquer forma de violência e objetificação do corpo. Tudo isso gerou uma grande queda na audiência do canal.

KondZilla: o que um dos maiores canais de música do mundo pode ensinar para sua marca
KondZilla: o que um dos maiores canais de música do mundo pode ensinar para sua marca

Por outro lado, a diversidade vem ganhando força, e hoje 50% do público de inscritos é composto por mulheres e pessoas das mais diferentes faixas etárias. Esse movimento também gerou um impacto direto nas buscas relacionadas aos termos "favela" e "periferia" por terem relação direta com cultura, música, funk e rap.

KondZilla: o que um dos maiores canais de música do mundo pode ensinar para sua marca

Apesar dos percalços, como o conteúdo do canal se destaca tanto em originalidade? Konrad acredita que coletar o máximo possível de referências faz toda a diferença. "Procuro pesquisar o máximo de coisas que posso. Fico na internet assistindo a mil coisas. Também procuro viver o máximo de experiências possíveis. Por exemplo, há dois anos fui ao cassino que filmou 007, em Mônaco, e uma semana depois fui à favela mais carente do Guarujá, que mal tem saneamento básico. Essas experiências contrastantes mostram a importância de transitar entre todos os mundos possíveis e imagináveis."

"Procuro pesquisar o máximo de coisas que posso. Fico na internet assistindo a mil coisas. Também procuro viver o máximo de experiências possíveis"

– Konrad Dantas, Fundador e CEO da KondZilla.

O vídeo na batida da mudança

A ascensão do funk por meio do YouTube não contribui apenas para o aumento da diversidade na indústria do entretenimento. Ela desperta no público um grau de envolvimento muito ativo com esses vídeos, especialmente nos jovens. Um exemplo disso são as populares videoaulas sobre as coreografias dos clipes. É quase uma onda em cadeia, em que a publicação de um videoclipe no Canal KondZilla gera uma reação de empoderamento em cadeia via compartilhamentos e produções autorais.

"A música deixou de ser um assunto para se tornar um ecossistema, de tal forma que os videoclipes, que antes eram as estrelas principais, hoje são o começo de uma série de assuntos e criações que orbitam os artistas – os vídeos dos bastidores, o passo a passo da coreografia, os lyric videos"

– Gustavo Casas, Consumer Insight Lead do Google.

Da contracultura à cultura: o negócio que vale ouro

Mas não é só o público que ganha. Os novos talentos que surgem no canal também recebem suporte de produção, consultoria de carreira, redes sociais e modelo de negócios. Aos olhos de Konrad, a KondZilla é, acima de tudo, uma plataforma de mídia, já que muitos não teriam renda suficiente para arcar com os custos de se lançar.

"Quando você alcança um determinado patamar, tudo fica mais caro. Nem sempre o artista tem condições de arcar com o valor que o mercado cobra. É aí que entra a oportunidade para as marcas. Custear o talento, o que acaba ajudando o mercado como um todo, que entende que, quando as marcas entram na música, os profissionais começam a ser pagos de uma forma mais honesta"

– Konrad Dantas, Fundador e CEO da KondZilla.

Este ano, foi lançado o Portal KondZilla, um espaço democrático "para o público da favela criar conteúdo para a favela". "Não é apenas música. É o comportamento desse jovem como um todo”, afirma Konrad.

O que as marcas podem aprender com o funk?

A combinação de uma linguagem original com o alto envolvimento da audiência representa um caminho de oportunidades para marcas que buscam diálogos mais autênticos com uma fatia considerável do público brasileiro.

KondZilla: o que um dos maiores canais do mundo pode ensinar para sua marca

De acordo com Antonio Abibe, especialista de produto do Google, “é um cenário onde o Creators Connect se mostra como uma alternativa para as marcas participarem dos conteúdos de grade no canal, seja por meio de product placement em videoclipes, ou programetes que tenham a 'lente do Kond' para tratar de temáticas específicas". A ferramenta oferece a possibilidade de determinar o share of voice que as marcas terão nos seus canais, com anúncios personalizados, que também podem ser produzidos pela KondZilla ou viabilizados pelo investimento em mídia no canal.

"No YouTube, somos diretamente afetados pelo que quer que nosso público diga. Ao contrário de um programa de TV, que faz pequenos ajustes na temporada seguinte, marcas e criadores têm uma relação direta e constante com seus públicos, ouvindo e se adaptando ao que eles querem."
KondZilla: o que um dos maiores canais do mundo pode ensinar para sua marca

"A favela venceu"

Com o funk consolidado na cena pop, o Canal KondZilla passa a ser considerado a porta de entrada para talentos que antes eram invisíveis. Suas apostas podem inspirar marcas e criadores a produzirem conteúdo em vídeo que seja mais autêntico, capaz de ser um termômetro da cultura. Acompanhar esse tsunami é, no fim, entender que o funk constrói as narrativas musicais contemporâneas do Brasil. E pode vir a construir muitas outras mundo afora.

KondZilla: o que um dos maiores canais do mundo pode ensinar para sua marca
Família, Futuro e Diversão: conheça as portas de acesso para a Geração Z