Como acompanhar os novos benchmarks da sua indústria para velocidade de páginas mobile

Os consumidores estão mais exigentes que nunca e as marcas que forem capazes de oferecer experiências rápidas e fluidas colherão os melhores resultados. Daniel An, Global Product Lead do Google, conta o que os profissionais de marketing das mais diferentes atividades estão fazendo quando o assunto é incrementar a velocidade das suas páginas mobile.

De acordo com nossas últimas análises, as páginas mobile levam, em média, vinte e dois segundos para carregar.1 No entanto, 53% das pessoas que acessam esses sites em smartphones e tablets abandonam experiências que levem mais de três segundos para carregar.2 Isso é um grande problema.

Não é nenhum segredo que os consumidores contam com experiências ágeis no mobile e que, se houver muito atrito, eles simplesmente abandonam o carrinho e procuram imediatamente outra opção. Por isso, é essencial que as marcas de todos os setores criem experiências de navegação mais eficientes. As pessoas não querem esperar para pagar as contas, pesquisar avaliações de hotéis e ler artigos, elas querem clicar e acessar imediatamente os conteúdos.

Apesar de mais da metade de todo o tráfego do varejo americano on-line vir do mobile3, nossos dados mostram que as taxas de conversão nesse meio são menores que no desktop.4 Somando esse dado à taxa de abandono, fica claro que quanto mais rápidas as páginas mobile, maior sua capacidade de gerar receita.

No mês passado, em um esforço para entender melhor o que nossos parceiros de publicidade andam fazendo, analisamos as landing pages de 900 mil anúncios de 126 países.5 Esse estudo confirmou a nossa tese: a maioria dos sites são lentos e estão sobrecarregados com elementos demais.

Fizemos um mergulho no universo de várias indústrias. As páginas da indústria automotiva, varejo e setor de tecnologia são as que, em média, levam mais tempo para carregar. Elas também são as páginas mais sobrecarregadas da web.

Os resultados da pesquisa foram reveladores. Das páginas analisadas, 70% levaram quase sete segundos para exibir o conteúdo visual acima da rolagem e mais de 10 segundos para um carregamento completo.

Recentemente, treinamos a nossa rede neural - um sistema computacional projetado como o cérebro e o sistema nervoso humano - com um grande volume de dados sobre bounce rate e conversões. A rede neural, cuja taxa de acerto de previsões é de 90%, revelou que conforme o tempo de loading de um site aumenta de um até sete segundos, a probabilidade do visitante abandoná-lo cresce 113%. Da mesma forma, conforme o número de elementos na página - como textos, títulos e imagens - aumenta de 400 para 6.000, a probabilidade de conversão cai 95%.6

Como acompanhar os novos benchmarks da sua indústria para velocidade de páginas mobile

Ou seja, quando falamos de sites mobile, menos é mais. E quanto mais rápido, melhor.

Aliás, mais leve é melhor também. Descobrimos que 70% das páginas tinham mais de 1MB, 36% mais de 2MB e 12% mais de 4MB. Isso é um peso gigantesco para o mobile, ainda mais se pensarmos que, em geral,  leva-se sete segundos para carregar uma página de 1.49MB com uma boa conexão 3G.7 Um caso em particular chamou a nossa atenção: encontramos uma página pesando nada menos que 16MB.   

Apesar das más notícias, há diversas soluções simples que podem ser implementadas agora mesmo para melhorar isso. Por exemplo, simplesmente comprimir os textos e as imagens pode fazer toda diferença – 30% das páginas poderiam economizar mais de 250MB apenas com essa medida. Nossas análises mostram que os setores automotivo, de tecnologia, de negócios e industrial são os que mais precisam melhorar.

Quando o assunto são páginas mobile, velocidade e peso realmente importam e as marcas precisam manter seus consumidores engajados por meio de experiências digitais que privilegiem os aparelhos móveis. Para descobrir se seu site está com boa velocidade e bem otimizado para o acesso mobile, acesse o Test My Site. Confira também os gráficos abaixo para uma visão global por indústrias, incluindo instruções sobre velocidade, peso e número de conteúdos por página.

O comportamento do consumidor e a próxima geração de experiências mobile