A onda retrô volta a crescer na música. O que era ultrapassado volta a ser cool e o que está saindo de moda pode aparecer de novo lá na frente.

Publicado
Junho 2016
Tópicos

A música old school não morre nunca. Lembra que, até uns anos atrás, o vinil era dado como morto e enterrado, mas voltou com tudo entre os fãs e colecionadores? Ou como os ídolos do passado ressurgiram com status cult, agora que todo mundo pode acessar suas discografias. Às vezes, o que soa ultrapassado, pode inspirar conteúdos que conversam com as novas, antigas e futuras gerações.

Retrô é repensar estilos

Ser retrô não é ser retrógrado. É usar o que já passou para criar coisas novas, reinventar. Na música, essa onda chega com um toque de modernismo. É só ouvir os últimos hits pra sacar quantos deles usam linguagens das décadas passadas, mas soam fresquinhos porque tiveram uma turbinada da tecnologia.

[[inline-image-2]]

Exemplos não faltam. “1989”, o álbum da Taylor Swift, tem ritmo de pop dos anos 90. A colaboração do Pharell Williams com o Daft Punk é uma homenagem assumida à música de Nile Rodgers. E Bruno Mars se inspira tanto em James Brown que até sua personalidade segue o estilo do Rei do Soul.

[[inline-video-1]]

[[content-callout-1]]

Quer saber mais insights sobre música?

  1. O YouTube é o palco principal.
  2. Não é só transmissão, agora é interação.
  3. A revolução está acontecendo de novo.
  4. Quando as marcas dão o play
  5. Uma maternidade de sucessos.
  6. Se foi bom antes, imagina com os recursos de hoje.
  7. As estatísticas que dão o tom desse mercado.

Outros insights

  1. Games
  2. Beauty
  3. Cooking