Saúde, segurança, educação e empregabilidade: o comportamento digital do brasileiro em relação às políticas públicas

Março de 2021

Em um cotidiano cada vez mais digitalizado, a internet acaba sendo o lugar de busca sobre muitas questões relacionadas à saúde, educação, empregabilidade e segurança. Olhar para as pesquisas mais frequentes no Google nos dá uma pista de quais são as maiores preocupações, necessidades e vontades dos brasileiros. Na sessão abaixo, a Especialista de Insights Lívia Sitta reuniu dados e insights sobre como a população do país usa a internet em busca de serviços e políticas públicas.

Saúde e o brasileiro

O Brasil é o terceiro mercado do mundo nas buscas da categoria de saúde1. Quando se analisa os tipos de buscas feitas no país, saúde sexual, dores e articulação e saúde mental foram, respectivamente, os principais temas de interesse dos brasileiros2 — desconsiderando, é claro, as pesquisas relativas à COVID-19. Esses dados, atrelados aos sintomas mais procurados em 2019, mostram como a saúde mental se tornou uma pauta relevante na sociedade.

Saúde, segurança, educação e empregabilidade: o comportamento digital do brasileiro em relação às políticas públicas

Outra descoberta importante é que as buscas por saúde costumam ser sazonais. As buscas pelos sintomas acompanham as mudanças de estação do ano e comportamentos das pessoas, como datas festivas e férias. A maior parte das buscas por “ressaca” aparece em dezembro, época de festas e confraternizações; buscas por “febre” aumentam no inverno, enquanto “stress” diminui em janeiro e julho, época de férias escolares.3

Segurança pública e o brasileiro

Em relação a segurança pública, a violência contra a mulher é um tema com alta nas buscas: 27% das brasileiras sofreram algum tipo de violência em 2019. Em números, são 16 milhões de mulheres agredidas durante o ano. Isso significa que 536 mulheres são agredidas por hora no Brasil4, uma realidade alarmante.

Curiosamente, as buscas pelo termo “relacionamento abusivo” só começaram a partir do momento em que o feminicídio foi incluído na legislação brasileira, em 2015. Isso mostra que a implementação de políticas públicas é capaz de transformar o que estava no nível individual em algo coletivo, visibilizando as buscas e rompendo paradigmas sociais e culturais. Por isso, divulgar políticas públicas e leis de proteção e incentivo à segurança é essencial para que os cidadãos — e mesmo as empresas — conheçam e entendam seus direitos.

Saúde, segurança, educação e empregabilidade: o comportamento digital do brasileiro em relação às políticas públicas

Empregabilidade, educação e o brasileiro

Das buscas feitas por Empregabilidade em 2019, 72% foram sobre vagas de emprego. Essas buscas foram acompanhadas por outras tendências, como MEI, empreendedorismo, FGTS e INSS.5 Os números nos mostram que, ainda que o empreendedorismo seja um assunto em voga, o desemprego continua sendo um grande medo na vida dos brasileiros. Quando se olha o assunto mais de perto, uma informação chama a atenção: 99% dessas buscas por vagas de emprego são genéricas, sem especificar uma formação ou tipo de trabalho.6

Saúde, segurança, educação e empregabilidade: o comportamento digital do brasileiro em relação às políticas públicas

Quando o olhar é voltado para a educação, fica clara a importância do digital na vida escolar de crianças e adolescentes. Os dados acima mostram que 3 em cada 4 crianças usam a internet no momento de estudar e fazer tarefas escolares. O universo online pode ser uma ferramenta aliada na educação dos brasileiros. Além disso, o digital é uma plataforma de divulgação de informações sobre leis, segurança, saúde e emprego. Desta maneira, a especialista Lívia Sitta aposta no uso da tecnologia para uma sociedade mais inclusiva, justa e democrática.

O Google Academy tem buscado ajudar marcas, empresas e profissionais do mercado disponibilizando gratuitamente lives interativas com treinamentos e insights de negócios — na nossa collection, marcas, empresas e profissionais têm acesso a todo esse material.

Como os novos comportamentos de consumo de alimentos vão ditar o futuro do varejo alimentar